h1

O duplo.

junho 20, 2009

As duas vidas que eu tenho
Já dizem bem onde estou
E diz também de onde venho…
E sendo dois, quem eu sou?

À parte o que cabe ao engenho,
Que minha arte de ser resultou
Nas duas partes que empenho;
Que lutam, se juntam e sou…

A angústia da face dos gêmeos
Que esta ambiguidade comprova;
Prova acaso quem sou? Nada prova…

Serei a redundância dos genes?
Se ainda não sei quem eu sou,
Que importa, serei o que tenho!

Dudu Oliveira.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: